Algodão

Do auge á derrocada da produção de algodão no Rio Grande do Norte

Por Cosme Souza Por Cosme Souza
25/03/2013 - 01:03

Do auge á derrocada da produção de algodão no Rio Grande do Norte

O “ouro branco” que, entre as décadas de 60 e 80 teve picos de produção no Rio Grande do Norte e alavancou a economia do estado no cenário nacional, chegou a  responder por 40% da arrecadação de ICMS no RN nos anos 70. Enricou produtores,  proporcionou a ascensão de pequenas comunidades a municípios prósperos, movimentou rodovias com o vai e vem de caminhões, implementou 600 quilômetros de trilhos de Natal a Macau e de Macau a Nova Cruz. Empregou milhares de potiguares. Hoje, porém, o cenário das vastas plantações que chegaram a ocupar 500 mil hectares em todo o estado, em nada lembra os algodoeiros que mais pareciam nuvens em pleno solo, dada a vastidão nas plantações. 

Júnior Santos Usina Algodoeira Potengi, em São Tomé: máquinas que beneficiaram safra recorde nos anos 80 estão paradas. Durante dois dias, a TRIBUNA DO NORTE visitou polos produtores e beneficiadores da fibra no Rio Grande do Norte. Foram quase 700 quilômetros percorridos entre Afonso Bezerra, Pedro Avelino, Angicos, São Tomé e João Câmara. Em comum, os municípios visitados guardam a lembrança de um passado glorioso, hoje empoeirado e quase esquecido diante dos prejuízos herdados pela devastação das plantações causada pela “praga do bicudo. Com a perda dos campos produtores para o besouro, os produtores se viram diante de uma situação irreversível. Sem subsídios governamentais e duelando com a concorrência externa, cuja produção em larga escala dispõe de ajuda dos governantes e juros baixos, coube aos plantadores e empresários instalados em solo potiguar fecharem suas usinas. Hoje, o maquinário enferrujado e esquecido nos galpões construídos na segunda metade do século passado enterra aquela que um dia foi a principal base da economia norte-rio-grandense.

Fonte R9 NOTÍCIA

Quer ficar bem informado acesse www.r9noticia.com.br